idoso-demencia-casa-de-repouso

Veja como a relação entre idosos com demências e animais de estimação é positiva

Os animais de estimação levam alegria aos ambientes. Seja um cachorro, um gato, um passarinho ou um hamster, eles atraem os olhares. Porém, os benefícios vão além do simples encantamento, já que o convívio com animais pode ser benéfico para idosos com Alzheimer e outras demências.

Desse modo, os pets podem ser uma companhia em casa, ou serem usados em terapias assistidas em instituições. No primeiro caso, é importante adotar ou comprar uma raça dócil. E no segundo é essencial contar com animais adestrados e devidamente preparados para alcançar os objetivos da terapia. 

Mas não são apenas idosos com demência que são beneficiados com a relação com os animais domésticos. Afinal, cães e gatos são grandes companheiros na fase do envelhecimento, podendo prevenir o estresse, ajudar na mobilidade e afugentar a depressão.  

Portanto, aproveite bem a leitura e saiba como os bichinhos podem ser benéficos para os idosos. 

Confira como os sintomas das doenças demenciais podem ser minimizados com os pets 

Só para lembrar, a demência não é uma doença em si, mas sim um conjunto de sintomas que têm como características fundamentais a perda de memória e de discernimento. 

Entre as doenças demenciais mais comuns estão a Doença de Alzheimer e a Doença de Parkinson. Elas atingem pessoas idosas e comprometem as relações sociais, a comunicação e o autocuidado. 

Mas a convivência, seja constante ou esporádica, com um animal de estimação, pode ajudar o idoso com uma doença senil a ter mais qualidade de vida. Veja a seguir alguns sintomas das doenças demenciais que podem ser impactados pela chegada de um pet à rotina. 

Diminuição do mau humor 

As doenças demenciais, como o Alzheimer, alteram o humor e o comportamento das pessoas diagnosticadas. Sendo assim, uma característica comum é a irritabilidade. 

O animal de estimação, portanto, acalma o idoso e é um aliado contra o estresse. Uma pesquisa da National Center for Biotechnology Information, nos Estados Unidos, identificou em 2018 que os idosos se sentem melhores na companhia de animais domésticos do que quando estão sozinhos ou na companhia de humanos. 

Auxílio na mobilidade 

Os idosos com demências que ainda conseguem andar tendem a ficar mais tempo sentados ou deitados durante o dia por falta de outras opções. Contudo, os pets são uma boa desculpa para uma caminhada matinal.

Os cachorros, neste caso, são os preferidos das famílias, pois eles podem ser colocados na coleira para uma volta dentro do lar ou nos arredores da casa. Assim, o idoso movimenta os músculos e ainda toma sol, que é útil para a produção de vitamina D. 

Reforço no autocuidado 

Com o passar do tempo, as doenças demenciais vão comprometendo as funções cognitivas e a memória. Os idosos tendem a se esquecer de se alimentar, de pentear os cabelos, de trocar de roupa ou escovar os dentes, por exemplo. 

Contudo, ao cuidarem de um animalzinho associam os cuidados com o pet à ideia de autocuidado. Logo, ao darem ração para o cachorro ou água para o gato, lembram-se automaticamente que também precisam se cuidar. 

Auxílio às atividades cognitivas 

Sendo assim, além de lembrarem-se de que também precisam se cuidar, os idosos com demências praticam atividades manuais ao cuidar dos animais.

Seja para pentear os pelos do cachorro ou trocar o alpiste da gaiola do passarinho, o indivíduo faz movimentos físicos repetidos, trazendo assim benefícios para a saúde ao manter a mobilidade. 

Quando esses movimentos são feitos de maneira estruturada, como uma sessão de terapia com animais, estimulam as funções cognitivas. 

Despertar do afeto 

Outro estudo da National Center for Biotechnology Information evidenciou que dois terços das pessoas idosas consideram o pet seu melhor amigo e, portanto, se sentem mais felizes e dispostas na presença deles. 

Como a memória afetiva é a última a desaparecer no caso de uma doença neurodegenerativa, a relação com um animal de estimação desperta o afeto e o carinho do idoso, mantendo-o com bom estado de ânimo. 

Saiba que é importante que a relação seja saudável para animais de estimação e para os idosos 

Para que haja uma relação harmoniosa entre idosos e pets é importante se atentar para o bem-estar do idoso e, ao mesmo tempo, do animal. 

Sendo assim, é importante que os familiares ou cuidadores ajudem a zelar pela saúde do animal, mantendo a alimentação, a higiene e a vacinação em dia. Também é interessante levar o animal à clínica veterinária com constância. 

Afinal, é sempre bom lembrar que a imunidade da pessoa idosa tende a ser mais baixa e que os animais também transmitem doenças, mesmo que de forma involuntária. 

Portanto, se tudo estiver bem, é interessante que a família incentive a relação do ente querido com o pet, seja com um animalzinho em casa, quando o idoso mora com a família, ou levando-o para visitar o idoso quando este morar numa instituição. 

Bem amados 

Isso porque vale a pena conferir a felicidade e o bem-estar gerados nessa relação. Um estudo da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, por exemplo, apontou que 90% dos idosos que possuem cães, gatos ou pássaros se dizem mais bem amados, além disso 80% reconhecem que o pet reduz o estresse do dia a dia. 

Afinal, não há nada melhor que sentir o ronronar de um gato ao colocá-lo no colo ou o abanar do rabo de um cachorrinho durante um reencontro. Mas, não precisamos ficar restritos a esses animais. 

Isso porque idosos que já viveram no campo se sentem bem quando veem cavalos a galopar, têm a chance de criarem galinha no quintal para colher ovos frescos ou simplesmente lançar o milho e observar como elas se alimentam. 

Para concluir, os animais de estimação são grandes companheiros dos idosos com demências, seja na convivência diária ou em visitas regulares. Os benefícios vão além do entendimento da ciência, causando bem-estar e sensação de bem-querer. 

Aqui na Cora Residencial Senior apoiamos a visita dos pets, juntamente com os familiares dos residentes, que podem desfrutar de bons momentos nos jardins da área de convivência das unidades. 

Portanto, se você deseja conhecer melhor nossa estrutura, marque uma visita a uma das nossas unidades. É só entrar em contato conosco.

Compartilhe o post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência. A sua esquerda se especifica quais cookies e scripts são utilizados e como eles afetam a sua visita. Você pode alterar a sua configuração a qualquer momento.

Para saber mais sobre a nossa Política de Privacidade, acesse: https://www.clinicasaintemarie.com.br/politica-de-privacidade

Essas configurações se aplicarão apenas ao navegador e ao dispositivo que você está usando no momento.

Em particular, este site utiliza o Google Analytics, um serviço de análise web fornecido pela Google, Inc. com sede nos Estados Unidos, com sede em 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, ca 94043.

Para a prestação destes serviços, o Google utiliza cookies que coletam informações, incluindo o endereço IP do usuário, que será transmitida, tratada e armazenada pelo Google nos termos fixados na web Google.com. Isso inclui a possível transmissão de tais informações a terceiros por motivos de exigência legal ou quando estes terceiros processem a informação por conta do Google.

Para consultar o tipo de cookie utilizado pelo Google, além do cookie do Google+ e Google Maps na url abaixo:
>>>https://policies.google.com/technologies/types?

O Google Ad utiliza cookies para exibir anúncios personalizados neste site. Você pode desativar o uso do cookie DART através do anúncio do Google ou acessando diretamente este link https://support.google.com/adsense/troubleshooter/1631343?hl=pt-BR.

Usamos empresas de publicidade de terceiros para veicular anúncios quando visita o nosso website. É possível que estas empresas utilizem a informação que recebem de suas visitas a este e a outros websites (sem incluir o seu nome, endereço, endereço de e-mail ou número de telefone) para lhe fornecer anúncios sobre produtos e serviços que lhe são de interesse.

Ao usar este site, você concorda com o processamento de dados pelo Google na forma e para os fins indicados.

Cookies de redes sociais podem ser armazenadas no seu navegador enquanto você navega pelo blog, por exemplo, quando você usa o botão de compartilhar um artigo em alguma rede social.

As empresas que geram esses cookies correspondentes as redes sociais que utiliza este blog tem suas próprias políticas de cookies:

Cookie do Linkedin, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.linkedin.com/legal/cookie-policy?trk=hp-cookies

Cookie de Facebook, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.facebook.com/policies/cookies/

Cookie do YouTube, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://policies.google.com/technologies/cookies?hl=pt

Cookie de Instagram, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://help.instagram.com/1896641480634370?ref=ig

Assim, as implicações de privacidade serão em função de cada rede social e dependem da configuração de privacidade que tenha nessa rede.

Em nenhum caso podemos obter informações de identificação pessoal de cookies.

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência.