Telemedicina geriátrica: tudo que você precisa sabe

Telemedicina geriátrica: tudo que você precisa sabe

A forma de atendimento médico tem evoluído e mudado drasticamente com o momento que temos vivido. A telemedicina está em alta, mas ainda gera muitas dúvidas. 

Confira como esse tipo de consulta funciona, quais mudanças feitas para uso de receitas na compra de medicamentos e outros detalhes que precisam ser analisados para que essa modalidade de atendimento seja funcional. 

De onde veio a telemedicina?

Antes de sabermos o que é, vamos conhecer como surgiu a telemedicina. 

Nascida em Israel na década de 1950, em seu início, a telemedicina era usada em poucos hospitais, através de televisões para chegar a pacientes em locais remotos. Com o avanço da comunicação, o contato ficou mais simples e prático com telefone fixo, mais tarde com os celulares, e se tornou ainda mais rápida com a internet. 

No Brasil, surgiu no início da década de 90, acompanhando uma tendência mundial de atendimento médico.

O que é a telemedicina?

A telemedicina abrange toda a prática médica realizada à distância, seja por aparelho celular, tablet, computador, ou qualquer outro dispositivo. 

Essa tecnologia possui vários tipos, desde a teleconsulta, até cirurgias robóticas. Vamos conhecer as modalidades mais usadas por pacientes.

– Teleassistência

A teleassistência é usada para atendimentos de emergências ou para acompanhamento de situações de risco, onde pacientes são monitorados por um profissional de saúde que se comunica com outros profissionais a distância. 

Atualmente, temos visto o uso da teleassistência para monitorar pacientes de grupos de risco que apresentam sintomas leves ou tenham tido contato com pessoas infectadas pelo Covid-19. O objetivo é garantir que estejam passando bem pelo período de contágio sem que tenham de ir a hospitais, evitando a propagação do vírus.

– Teleconsulta ou teleatendimento

A teleconsulta pode ser feita entre médicos, quando um clínico geral busca assistência de um especialista, para uma segunda opinião no diagnóstico, um medicamento indicado, ou até mesmo orientações para realização de um procedimento. 

Ou como uma consulta online, feita diretamente entre médicos e pacientes. Porém, mesmo a teleconsulta sendo útil em grande parte dos atendimentos de menor complexidade, a consulta de rotina jamais deixará de existir.

Esta modalidade ganhou grande destaque no Brasil devido a pandemia do Covid-19. Médicos e pacientes não puderam sair de casa para suas consultas rotineiras e a consulta online tornou-se um grande aliado.

O que a receita digital deve ter?

Mas de que adianta não precisar ir até o consultório médico para uma consulta e ter que ir buscar a receita? Para isso não precisar acontecer, foi feita a receita digital. A receita enviada como arquivo para que o paciente compre o medicamento necessário. 

Para prescrever esse tipo de receita, os médicos devem ter um certificado digital emitido pela ICP-Brasil, para assinar as receitas e comprovar a autenticidade do documento digital.

Mas isso não basta, os farmacêuticos também precisam estar alinhados com o procedimento. Para isso, devem ter acesso a um computador com Internet e possuir certificado virtual válido pela ICP-Brasil. 

Residencial para idosos: Suporte completo

Agora você deve estar se perguntando, como um idoso conseguirá participar de um teleatendimento ou assistência, sozinho? 

Em um residencial para idosos ideal, como na Cora Residencial Senior, o idoso recebe todo suporte para manuseio de equipamentos tecnológicos para participação desse tipo de consulta e a equipe técnica está sempre disponível para o acompanhamento do atendimento.  

Além disso, a Cora é bem familiarizada com a telemedicina, uma vez que o médico geriatra da equipe multiprofissional Cora está sempre em contato com os médicos dos residentes, usando essa modalidade de contato. 

Entre em contato conosco e receba mais informações do melhor residencial para idosos!

Receba nossos conteúdos por e-mail

Compartilhe o post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência. A sua esquerda se especifica quais cookies e scripts são utilizados e como eles afetam a sua visita. Você pode alterar a sua configuração a qualquer momento.

Para saber mais sobre a nossa Política de Privacidade, acesse: https://www.clinicasaintemarie.com.br/politica-de-privacidade

Essas configurações se aplicarão apenas ao navegador e ao dispositivo que você está usando no momento.

Em particular, este site utiliza o Google Analytics, um serviço de análise web fornecido pela Google, Inc. com sede nos Estados Unidos, com sede em 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, ca 94043.

Para a prestação destes serviços, o Google utiliza cookies que coletam informações, incluindo o endereço IP do usuário, que será transmitida, tratada e armazenada pelo Google nos termos fixados na web Google.com. Isso inclui a possível transmissão de tais informações a terceiros por motivos de exigência legal ou quando estes terceiros processem a informação por conta do Google.

Para consultar o tipo de cookie utilizado pelo Google, além do cookie do Google+ e Google Maps na url abaixo:
>>>https://policies.google.com/technologies/types?

O Google Ad utiliza cookies para exibir anúncios personalizados neste site. Você pode desativar o uso do cookie DART através do anúncio do Google ou acessando diretamente este link https://support.google.com/adsense/troubleshooter/1631343?hl=pt-BR.

Usamos empresas de publicidade de terceiros para veicular anúncios quando visita o nosso website. É possível que estas empresas utilizem a informação que recebem de suas visitas a este e a outros websites (sem incluir o seu nome, endereço, endereço de e-mail ou número de telefone) para lhe fornecer anúncios sobre produtos e serviços que lhe são de interesse.

Ao usar este site, você concorda com o processamento de dados pelo Google na forma e para os fins indicados.

Cookies de redes sociais podem ser armazenadas no seu navegador enquanto você navega pelo blog, por exemplo, quando você usa o botão de compartilhar um artigo em alguma rede social.

As empresas que geram esses cookies correspondentes as redes sociais que utiliza este blog tem suas próprias políticas de cookies:

Cookie do Linkedin, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.linkedin.com/legal/cookie-policy?trk=hp-cookies

Cookie de Facebook, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.facebook.com/policies/cookies/

Cookie do YouTube, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://policies.google.com/technologies/cookies?hl=pt

Cookie de Instagram, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://help.instagram.com/1896641480634370?ref=ig

Assim, as implicações de privacidade serão em função de cada rede social e dependem da configuração de privacidade que tenha nessa rede.

Em nenhum caso podemos obter informações de identificação pessoal de cookies.

Receba nossos conteúdos por e-mail

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência.