proteger-doencas-cora-residencial-para-idosos

Por que a lavagem correta das mãos pode nos proteger das doenças?

Nossas mãos são usadas constantemente para pegar em objetos, encostar em superfícies, cumprimentar as pessoas e todas as demais tarefas que realizamos diariamente. Mas, ao mesmo tempo, também são levadas aos olhos e ao nariz, que concentram mucosas que servem como verdadeiras portas de entrada para micro-organismos em nosso corpo. Por isso, a lavagem correta das mãos, de forma sistemática, é tão importante para manter a saúde em dia. 

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 40% de doenças como conjuntivites, diarreias, gripes e resfriados poderiam ser evitadas com a lavagem das mãos. 

Sabendo disso, profissionais de saúde que trabalham em clínicas e hospitais, bem como funcionários que fazem a manipulação de alimentos, zelam pela higienização das mãos. Afinal, uma simples sujeira, visível ou não, pode carregar vírus, bactérias, protozoários, fungos e ácaros, que podem ser potencialmente fatais ao vencerem a barreira do nosso sistema imunológico. 

Sendo assim, os idosos, que têm a resposta imune mais lenta, devem reforçar os cuidados com a limpeza das mãos, colocando a higienização como um hábito a ser seguido na rotina, assim como beber água ou se alimentar. 

Porém, é necessário que a higiene seja feita da maneira correta. Isso porque os micro-organismos são formados, geralmente, por substâncias gordurosas que são eliminadas somente com a presença de sabão ou outras substâncias antissépticas, como o álcool. 

Por isso, veja agora neste conteúdo como e porque lavar as mãos pode evitar viroses e outras enfermidades. 

Desde quando a lavagem correta das mãos é usada para evitar doenças?

No século 19, muitas mães morriam após darem à luz nas maternidades devido a inúmeros tipos de infecções. Foi então que o médico húngaro Ignaz Semmelweis (1818-1865) propôs a higienização das mãos dos trabalhadores da saúde. Na época, eles usavam hipoclorito de cálcio, que hoje em dia é utilizado no tratamento da água que consumimos. 

A partir da prática sistemática da limpeza das mãos, em meados de 1847, a taxa de mortes pós-parto reduziu drasticamente. Desse modo, Ignaz foi chamado de o “salvador das mães” e deixou a higienização como herança à toda comunidade médica. 

Com o passar do tempo, o hábito foi aprimorado e passou-se a utilizar novos produtos químicos. Aliás, o método se tornou foco de equipes médicas para controlar as taxas de infecção hospitalar. Isso porque, muitas vezes, os micro-organismos (como as bactérias altamente resistentes) são transportados pelas mãos dos médicos e enfermeiros até os pacientes.  

Sendo assim, foram criados protocolos de higienização das mãos para cuidar dos pacientes, fazer cirurgias e até mesmo nas atividades do dia a dia dentro do ambiente hospitalar. 

Como higienizar as mãos corretamente?

Como você já viu nos meios de comunicação, é importante lavar as mãos com frequência. Assim, sempre que tocar em objetos de uso coletivo, como corrimão ou carrinho de supermercado, lave as mãos com água e sabão ou, na falta deles, use álcool gel 70%. 

Uma lavagem de mãos eficiente deve durar em média 20 segundos. Isso porque uma lavagem rápida, sem muito cuidado, não é capaz de eliminar vírus e bactérias.

Sendo assim, siga os passos a seguir para livrar as mãos de micro-organismos causadores de doenças: 

  • ligue a torneira e molhe as mãos ligeiramente;
  • desligue a torneira para economizar água e espalhe sabão nas palmas das mãos (o sabão em pedra e o sabonete líquido têm o mesmo efeito);
  • esfregue as palmas das mãos até os punhos;
  • agora limpe as costas das mãos, esfregando uma sobre a outra;
  • depois disso, lave o vão dos dedos:
  • em seguida, esfregue os polegares com movimentos circulares;
  • por último, lave as pontas dos dedos esfregando-os sobre as palmas das mãos para eliminar a sujeira que estiver escondida nas unhas;
  • ligue a torneira com a ajuda de um papel descartável para não tocá-la diretamente;
  • enxague as mãos da ponta dos dedos em direção ao punho, evitando assim que algum micro-organismo que esteja no braço desça para as mãos;
  • procure deixar as mãos secarem naturalmente, mas pegue um papel descartável para tocar na maçaneta da porta.

Quais são os mitos e verdades sobre a limpeza das mãos? 

Muitas pessoas preferem usar o álcool gel no lugar da água e sabão para limpar as mãos. Isso acontece porque nem sempre temos água e sabão à disposição, como quando saímos de um estabelecimento comercial, ou simplesmente porque achamos o uso do álcool gel mais prático. 

Mas a combinação “água e sabão” já é suficiente. Sendo assim, confira alguns mitos e verdades sobre a higienização das mãos. 

  • é preciso lavar as mãos e depois passar álcool gel: mito. Uma das ações já é adequada para manter as mãos limpas;
  • deve-se retirar anéis e pulseiras antes de lavar as mãos: verdade. Os acessórios podem reter os micro-organismos;
  • se usar luvas, não é preciso lavar as mãos: mito. O uso de luvas protege até quatro vezes mais as mãos, porém, na hora de fazer a retirada é perigoso contaminar as mãos se elas não forem lavadas imediatamente; 
  • detergente pode ser usado na higienização das mãos: verdade. O detergente tem o mesmo efeito do sabão, porém, não foi fabricado para isso, portanto ele pode causar fissuras na pele. 

Além de conhecer melhor o que é mito e o que é verdade, também é interessante que você mantenha as mãos hidratadas. A pele das mãos de idosos, sobretudo, costuma ser mais ressecada. Sendo assim, após usar álcool gel 70%, é recomendado espalhar uma pequena porção de loção hidratante. 

Concluindo, a lavagem correta das mãos é essencial para manter os idosos e pessoas de qualquer idade bem saudáveis em períodos de circulação de vírus de qualquer natureza, bem como outros micro-organismos. 

Na Cora Residencial Senior, a higienização das mãos já se tornou um hábito entre residentes e colaboradores. Todos são estimulados a fazer a higienização, com pontos de álcool gel em lugares estratégicos das unidades. 

E, então, gostou das dicas? Quer conhecer melhor nossa rotina? Acesse nossa fanpage e clique no botão de curtir para receber as atualizações no seu feed. 

Compartilhe o post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência. A sua esquerda se especifica quais cookies e scripts são utilizados e como eles afetam a sua visita. Você pode alterar a sua configuração a qualquer momento.

Para saber mais sobre a nossa Política de Privacidade, acesse: https://www.clinicasaintemarie.com.br/politica-de-privacidade

Essas configurações se aplicarão apenas ao navegador e ao dispositivo que você está usando no momento.

Em particular, este site utiliza o Google Analytics, um serviço de análise web fornecido pela Google, Inc. com sede nos Estados Unidos, com sede em 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, ca 94043.

Para a prestação destes serviços, o Google utiliza cookies que coletam informações, incluindo o endereço IP do usuário, que será transmitida, tratada e armazenada pelo Google nos termos fixados na web Google.com. Isso inclui a possível transmissão de tais informações a terceiros por motivos de exigência legal ou quando estes terceiros processem a informação por conta do Google.

Para consultar o tipo de cookie utilizado pelo Google, além do cookie do Google+ e Google Maps na url abaixo:
>>>https://policies.google.com/technologies/types?

O Google Ad utiliza cookies para exibir anúncios personalizados neste site. Você pode desativar o uso do cookie DART através do anúncio do Google ou acessando diretamente este link https://support.google.com/adsense/troubleshooter/1631343?hl=pt-BR.

Usamos empresas de publicidade de terceiros para veicular anúncios quando visita o nosso website. É possível que estas empresas utilizem a informação que recebem de suas visitas a este e a outros websites (sem incluir o seu nome, endereço, endereço de e-mail ou número de telefone) para lhe fornecer anúncios sobre produtos e serviços que lhe são de interesse.

Ao usar este site, você concorda com o processamento de dados pelo Google na forma e para os fins indicados.

Cookies de redes sociais podem ser armazenadas no seu navegador enquanto você navega pelo blog, por exemplo, quando você usa o botão de compartilhar um artigo em alguma rede social.

As empresas que geram esses cookies correspondentes as redes sociais que utiliza este blog tem suas próprias políticas de cookies:

Cookie do Linkedin, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.linkedin.com/legal/cookie-policy?trk=hp-cookies

Cookie de Facebook, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://www.facebook.com/policies/cookies/

Cookie do YouTube, de acordo com o disposto em sua Política de cookies.
->https://policies.google.com/technologies/cookies?hl=pt

Cookie de Instagram, segundo o disposto em sua Política de cookies.
->https://help.instagram.com/1896641480634370?ref=ig

Assim, as implicações de privacidade serão em função de cada rede social e dependem da configuração de privacidade que tenha nessa rede.

Em nenhum caso podemos obter informações de identificação pessoal de cookies.

Este site utiliza cookies e scripts externos para melhorar a sua experiência.