Como é feito o diagnóstico de Alzheimer?

Como é feito o diagnóstico de Alzheimer?

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa e progressiva com maior incidência em idosos. O diagnóstico afeta diversas áreas do cérebro, prejudicando a memória, o raciocínio e a comunicação, por exemplo. 

O quadro pode ser confirmado por meio de avaliação clínica, que auxilia na identificação de alguns dos sintomas, que por vezes passam despercebidos pelo paciente e seus familiares. Exames de imagem também são utilizados para atestar essa condição.

Quais os sinais do Alzheimer? 

Alguns sinais claros de que um idoso pode estar com Alzheimer são: 

  • Preferência pelo isolamento;
  • Dificuldade em se comunicar, de forma verbal ou escrita;
  • Perda da noção de tempo e espaço;
  • Mudanças bruscas de humor;
  • Irritabilidade;
  • Repetição frequente de perguntas;
  • Perda da memória.

Exames de imagem 

Os exames de imagem que auxiliam na detecção do Alzheimer são:

  • Tomografia computadorizada: é essencial para a análise de diferentes áreas do cérebro. O exame resulta em uma imagem tridimensional do órgão, que possibilita, inclusive, identificar outros quadros clínicos;
  • Ressonância magnética: esse método se apoia em ondas de rádio para a construção de uma fotografia tridimensional do cérebro. Por meio do exame, o médico consegue observar se há uma eventual perda de tecido cerebral. 

Apesar de estes dois exames serem muito utilizados em casos suspeitos de Alzheimer, não existem testes definitivos para o diagnóstico. Dessa forma, são levados em conta fatores como: sintomas, quadro clínico do paciente e histórico familiar.

Áreas cerebrais afetadas pela doença

Como citamos acima, o Alzheimer afeta áreas importantes do cérebro e causa diversas alterações ao longo do tempo.

Por isso, ocorrem perda de memória, dificuldade de raciocínio, problemas de comunicação, irritabilidade, entre outros sintomas.

As áreas do cérebro atingidas pela doença são:

  • Córtex cerebral: região responsável pela memória, linguagem, raciocínio, atenção e processamento da informação;
  • Hipocampo: área do cérebro encarregada pelas emoções;
  • Córtex entorrinal: região que integra os eventos recentes e antigos na memória do idoso.

Atenção aos sinais 

É essencial que o idoso e seus familiares estejam atentos aos possíveis sinais de Alzheimer, colaborando para um diagnóstico precoce. Assim, o tratamento pode ser iniciado de forma breve. 

É importante ressaltar que a doença não tem cura e que os tratamentos visam controlar o avanço dessa condição, garantindo bem-estar e qualidade de vida.

Cora Residencial Senior

A Cora é um residencial para idosos que proporciona conforto e segurança aos moradores. 

Contamos com uma equipe multidisciplinar formada por médicos geriatras, cuidadores, nutricionistas, farmacêuticos, enfermeiros, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. Esses profissionais estão preparados para oferecer o melhor tratamento aos idosos, diagnosticados ou não com doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

Temos cinco unidades na cidade de São Paulo, espalhadas nas regiões de Higienópolis, Jardins, Campo Belo, Tatuapé e Ipiranga. Entre em contato conosco e agende uma visita virtual!

4.8/5 - (26 votes)

Receba nossos conteúdos por e-mail

Compartilhe o post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Receba nossos conteúdos por e-mail